sábado, outubro 28, 2006

Cortejo de Oferendas

Cortejo de Oferendas – 1958, a favor do Hospital de S. Bento de Arnoia – Celorico de Basto.


Época áurea dos cortejos de oferendas, momentos inesquecíveis de generosidade, de humanismo e de muitos sonhos que proporcionavam angariar fundos para o bom funcionamento desta instituição.
A Santa Casa da Misericórdia de S. Bento de Arnoia foi aprovada por Carta Régia de D. Luís em 14 de Julho de 1867, confirmada pelo Sr. Arcebispo Primaz D. José Joaquim de Azevedo e Moura, em 1868.
O seu fundador Comendador Geraldo José da Cunha, impôs ao seu herdeiro, Agostinho Alves da Cunha, a obrigação de destinar casa para um pequeno hospital no edifício do Convento Beneditino.
Para o efeito deixou para fundo a quantia de quatro contos de reis e Agostinho Alves da Cunha, cedeu para o hospital uma pequeníssima parte do referido convento.
Efectivamente o hospital de S. Bento ao longo dos anos atravessou muitas dificuldades financeiras para fazer face às despesas correntes com o tratamento dos doentes.
Neste período, estas manifestações de caridade pública tinham um efeito prático na angariação de fundos para a manutenção dos serviços existentes, designadamente da assistência médico-cirúrgica, partindo do princípio que a comunidade tem obrigação de sustentar o seu hospital.
Num texto publicado pelo Provedor Comendador Mota Ribeiro, pode ler-se “trata-se de uma casa de caridade, que merece todas as nossas complacências, todos os nossos sacrifícios para que este refúgio dos pobrezinhos doentes não desapareça, com inerente prejuízo para todo o concelho”.











1 comentário:

AgenteAlves disse...

Quero desde ja dar-te os Parabens pela iniciativa... Caso arranje alguma coisa aviso.. ;)
Fica bem..
Abraço...
e viva o celorico digital.. ;)