sábado, janeiro 19, 2013

Quinta de Santa Cristina


A Quinta de Santa Cristina em Celorico de Basto, pela sua localização, na Sub-Região de Basto, uma região demarcada, uma DOC (denominação de origem controlada), ocupa com mérito próprio, um lugar de destaque na produção de vinhos verdes.
As suas vinhas estão localizadas no lugar de Santa Cristina (freguesia de Veade), sobranceiras à vila de Celorico de Basto, em solos com ótima exposição para a produção dos seus vinhos.
O nome de região do Vinho Verde caracteriza de forma fiel a paisagem do Minho, a região mais verde, a de maior índice pluviométrico, a mais fresca e viçosa de Portugal continental.
Composta por vinhedos de Salgueiros e Quinta dos Olivais, juntou-se a Quinta da Capela, ficando com uma área total de cerca de quarenta hectares de vinha nova, disposta em cordão duplo sobreposto numa exposição solar nascente/poente, produzindo de vinho verde de requintada qualidade.  
Segundo o proprietário e produtor António Pinto “este projeto foi pensado e desenvolvido para bem servir a região e dar-lhe prestígio” e a prova é que o vinho verde Santa Cristina, desde 2004 é medalhado ao mais alto nível, em diversos concursos nacionais e internacionais e por diversas revistas da especialidade.
O conceito que presidiu à criação deste projeto, sublinhou António Pinto, é “um conceito de Qualidade”, adiantando “tentamos obter conhecimento e competências devidas para prosseguirmos o caminho adequado, tendo em vista um produto final de qualidade, para um mercado cada vez mais exigente”.
Para uma contínua melhoria de qualidade produtiva estas vinhas são assistidas por técnicos e trabalhadores orientados pelo prestigiado enólogo Jorge Sousa Pinto, técnico com reconhecida competência e um vasto curriculum na área da enologia.
 A atividade vinícola de cariz essencialmente comercial da Quinta de Santa Cristina remonta ao ano de 2004. Desde essa data a aposta tem sido sempre na qualidade dos néctares produzidos nesta quinta situada nos arredores da vila de Celorico de Basto.
“Temos fundamentalmente apostado sempre na qualidade” referiu António Pinto, que pretende levar bem longe, do Minho ao Algarve, o nome dos vinhos de Santa Cristina e do próprio concelho de Celorico de Basto. Atualmente a marca já está consolidada no mercado nacional, pelo que a Sociedade Agrícola Garantia das Quintas iniciou um processo de internacionalização, junto de países como Alemanha, Luxemburgo, Brasil, Moçambique e Estados Unidos da América. A este propósito garantiu “devemos, antes de mais, consolidar uma imagem própria e forte no panorama interno, mas nunca tendo medo de arriscar no estrangeiro e de apostar em mercados cada vez mais abertos ao vinho português”.
O otimismo que António Pinto, um homem dos negócios nato, sente face às projeções de crescimento do consumo e também à qualidade crescente dos vinhos verdes levou-o a iniciar a construção de raiz de uma nova adega, com equipamento moderno, no centro das quintas, que permitirá criar uma unidade ecoturística na Quinta de Santa Cristina, onde os futuros visitantes poderão ter a oportunidade de degustar um bom vinho verde ou um espumante com qualidade garantida e usufruir de uma bela paisagem.
No que concerne às castas predominantes nestas vinhas, elas são o azal, o arinto, o loureiro e a trajadura e mais recentemente foi introduzido o alvarinho, que proporciona um vinho regional do Minho de topo – o alvarinho trajadura.
Dada a grande paixão e dedicação dos seus membros pelo sector vitivinícola, aliado às vinhas nos melhores solos e exposições e a um trabalho minucioso de vinificação, resultam vinhos extraordinários de tremenda elegância e harmonia, capazes de transmitirem plenos prazeres ao serem consumidos. 

1 comentário:

Manuel Mota disse...

Os vinhos são de superior qualidade. BRANCO, TINTO e ROSÈ bem como o Espumante BRANCO e TINTO. A quinta de santa cristina pode orgulhar-se da quqlidade que produz.